Moradores reclamam do ar e da falta d’água em bairros de São Paulo.


Apesar do Governo de São Paulo ter dito, no começo de março, que a crise de abastecimento tinha acabado, moradores de muitos bairros da capital reclamam que ainda há falta d’água. Os bairros Jardim Aeroporto e Jabaquara são alguns dos que enfrentam o problema, como mostrou o SPTV.O motorista Fábio Augusto Freitas reclama que, na sua casa, a cor da água é marrom. Ele mora no Jabaquara e diz que as torneiras ficam secas entre 22h e 6h.“Eu tenho que aguardar um tempo, tirar todo o ar do sistema. Essa água suja que está saindo, eu fico em torno de uns 10 ou 15 minutos geralmente para poder limpar essa água”, conta Freitas. “Desperdiça água, desperdiça ar, porque eu estou pagando por ele, né? ele está passando pela torneira, pelo registro da minha casa e eu estou pagando por ele”.Para a servidora pública Letícia Nogueira, que mora no Jardim Aeroporto, o prejuízo foi ter que comprar uma máquina nova de lavar roupas. A antiga queimou porque ficou puxando água a madrugada inteira, mas só vinha ar. Ela diz que falta água todo dia da meia-noite às seis da manhã. E quando volta, vem com muita pressão. “Não está tão ruim quanto no ano passado para mim, mas eu acredito que a crise continua, senão não teria motivo pra cortar, não precisaria interromper o fornecimento”, diz.

Letícia tem caixa, mas parte da casa só funciona com a água que vem direto da rua. Resultado: garrafas e galões cheios espalhados pela área de serviço, porque nunca se sabe quando vai precisar. Quando ela liga para a Sabesp, a resposta é desanimadora:

"Mesmo com a melhoria, ainda tem regiões em que vai faltar água realmente no período da madrugada. Para a região da senhora, não tem nenhuma previsão de quando isso acabe. Como é um período que não se utiliza tanta (água), então a gente ainda vai desligar por um bom tempo nesse período", diz a funcionária da Sabesp.

A Sabesp diz que não há corte no abastecimento, mas redução de pressão. A empresa diz ainda que não tem registro de reclamações de falta de água nos endereços mostrados na reportagem. O horário em que os moradores dizem que ficam sem abastecimento coincide com o período de redução da pressão - e não corte - que é das 23h às 5h. A Sabesp diz ainda que é importante que cada casa tenha uma caixa d´água com capacidade de armazenamento para, pelo menos, um dia de consumo.

1 visualização0 comentário